Expressa o facto no momento em que se fala. Pessoal e transmissível.
19
Set 12
publicado por José Maria Barcia, às 17:31link do post | comentar


Roubado do 31.

27
Mai 12
publicado por José Maria Barcia, às 22:37link do post | comentar

Vivo em Lisboa, onde nasci. Tenho como muitos alfacinhas, uma relação de amor-ódio com a cidade que me acolhe. É, até, surpreendente como esta cidade consegue fazer-me apaixonar e enraivecer de hora a hora.

 

Lisboa é daquelas cidades com uma característica única. Há sempre um canto novo para descobrir. Seja a história de um edifício, por onde se passa todos os dias, seja o restaurante que se entra pela primeira vez, Lisboa recebe toda a gente de braços abertos. A capital reúne um mundo de vivências dignas de poetas e amadores, como tão rapidamente se transforma num antro de corrupção e traficantes de droga.

 

Lisboa é o amigo que exige uma enorme dose de paciência mas compensa com momentos de magia que nem numa volta ao mundo se encontra.  Esta singela cidade traz a si o melhor e o pior de cada um. E como a cidade é feita por quem lá vive, esta teve azar. O grande problema de Lisboa foi ter nascido em Portugal.

 

Ora veja-se. Lisboa, a cidade que junta tradição com as tendências mais contemporâneas em perfeita harmonia, peca por ser demasiado portuguesa. Uma cidade que se chamasse Lisbon, no Reino Unido ou Lisbonne em França seria considerada a melhor cidade, anos e anos consecutivos, em todos os rankings de turismo, bem-estar da população, entre outros.

 

Mas, como diz o ditado (mais ou menos), cada cidade tem os governantes que merece. E Lisboa, como não podia deixar de ser, merece o governante que tem. Com todos os defeitos que a capital apresenta, o maior só podia ser aquele que decide os seus destinos. António Costa, com o slogan ‘’Lisboa para as pessoas’’ ainda não percebeu quem são as pessoas. Antes de escrever esta crónica, dei-me ao trabalho que dar uma volta por Lisboa em hora de ponta. É um desastre. Trânsito insuportável motiva mau humor nas pessoas. E o mau humor nas pessoas é contagioso. Entre outras coisas. Por motivos de isenção (?), admito que fiquei demasiado tempo no trânsito na minha volta a Lisboa e isso foi traumatizante.

 

Portanto, fica aqui o mote: Caro António Costa, decerto gostas de Lisboa tanto quanto eu e achas, como eu, que Lisboa é para as pessoas. Agora, meu caro, não esqueças que as pessoas também andam de carro e que o trânsito influencia – e muito – o bem-estar na cidade. Vá lá, esforça-te. Lisboa agradece.

 

P.S. Um tema que não deve ser esquecido é a alegada pressão e ameaça de Miguel Relvas aos jornalistas. A ser provado culpado, a demissão não é suficiente, merece ir para a prisão já que a pena para estes casos vai até três anos. Um país que viva com uma comunicação social alvo destes crimes – e pior, que os aceita e iliba – não merece ser considerada democracia.

 

Crónica Clique


Contacto
indicativoblog@gmail.com
comentários recentes
!!!!!!!! que texto!
Acabo de caer de casualidad ( nunca creeré ...
sim Prémio Nobel da Paz, os gajos deviam era receb...
Incrivel como é logo assumido que sou do sexo masc...
Deita essa porcaria para o lixo, pois já não serve...
Pois é Duarte! Mas estes tipos só vêem bola e nove...
Estou 100% de acordo contigo Filipa! Contra estrat...
Boa! Gostei dessa
Se um dia eu chegar ao Governo de Portugal, tu e o...
Isto devia ir até ao Tribunal Penal Internacional!
arquivos
2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


pesquisar neste blog